Pageviews last month

Gestão eficaz da sala de aula mediante a inclusão


Espero que todos tenham passado um Natal & Ano Novo cheio de paz e saúde. A nossa meta é contribuir para um ano cheio de realizações positivas e efetivas na sua sala de aula. Para isso, continuamos a apoiar a construção de um alicerce do autoconhecimento e assim voltamo-nos à identificação do seu estilo de ensinar e principalmente suas estratégias para lidar com o comportamento de alunos difíceis.

O planejamento é uma das armas mais poderosas do professor. Um professor que planeja raramente é pego de surpresa e terá mais aptidão para solucionar os problemas que surgirem na sala de aula durante o ano letivo. Além disso, proporciona a seus alunos um ambiente previsível e tranquilo, com estratégias de transição de uma atividade para outra.
Torna-se então essencial desenvolver um estilo pessoal e um plano de gestão da sala de aula. Para facilitar na identificação do seu estilo de ensinar e no desenvolvimento de seu plano. Vamos citar alguns modelos de gestão da sala de aula que já provaram serem  muito eficaz na promoção de um ambiente de sala de aula positivo, propício à aprendizagem de todos os alunos mediante a inclusão.

A autora Carlette Jackson Hardin descreve três categorias de gestão de sala de aula: gestão como disciplina, como um sistema e como instrução. Essas categorias trazem uma abordagem diferente dos anos passados onde a aprendizagem, ordem e disciplina eram conseguidos através de punição e castigo. Considerando que a chave para uma boa aprendizagem encontra-se principalmente na gestão eficaz da disciplina e no modelamento da  atitude dos alunos perante a sua própria educação, pode-se escolher um só modelo dentro de uma categoria ou identificar partes de cada um, para desenvolver um estilo próprio e pessoal na abordagem da gestão de sua sala de aula. 

1-A gestão de sala de aula como Disciplina envolve abordagens comportamentais, disciplina assertiva, disciplina positiva e conseqüências lógicas.

2-A gestão de sala de aula como Sistema envolve abordagens de disciplina com dignidade, programa de gestão organizacional, construção de comunidades e disciplina sem punição ou recompensas.

3-A gestão de sala de aula como Instrução envolve abordagens de auto-disciplina, suporte ao comportamento positivo, resolução de conflitos, mediação entre pares e disciplina prudente.

Diante do conhecimento destes modelos um professor terá pleno “knowhow” para construir um sistema pessoal de gestão da sala de aula que proporcionará o aproveitamento de todos os alunos.

Se estiver interessado em receber informações detalhadas sobre a prática destes modelos no “chão da sala de aula” contate-nos através do email  you@suporteducar.com

Vamos começar o ano de 2014 com o pé direito!


Denise

Como reduzir o estresse diário

Este artigo é mais um de uma série que estamos oferecendo para facilitar reflexões que venham a  valorizar os saberes pessoais dos professores em preparação para o ano próximo ano letivo, como se estivessemos preparando o alicerce para dar maior consistência à obra docente.

O artigo da semana passada conduziu os professores, embora ainda de forma um tanto tímida, a refletir sobre o seu desenvolvimento pessoal como parte da sua profissão. Tal abordagem vai além da acadêmica e valoriza os saberes pessoais dos professores como um dos fatores primordiais da prática docente. Desde os anos 90 o pesquisador *Nóvoa (1995) já havia destacado o quanto o "modo de vida" pessoal do docente acaba por interferir no quotidiano da gestão de sala de aula.

Estresse e Esgotamento são termos de uso corrente na vida dos professores, pois os mesmos são expostos a uma variedade de adversidades no ambiente de trabalho e na vida pessoal. O estresse até pouco tempo era conhecido como cansaço. Hoje em dia, o estresse passou a ser visto também pelo lado emocional, atingindo o lado comportamental. Como os fatores causadores de estresse nem sempre podem ser eliminados, torna-se necessário conhecer maneiras para aliviá-lo no dia-a-dia treinando o corpo a relaxar e a normalizar suas funções.
Aqui vai uma dica para reduzir o nível de estresse, tanto quanto possível. Podemos reduzir o estresse diário quando nos tornamos conhecedores de como funciona parte do nosso sistema nervoso.
O sistema nervoso autônomo do ser humano, como o próprio nome diz, controla, principalmente, as funções sobre os quais temos menos controle. O sistema nervoso autônomo tem dois eixos: simpático e parassimpático. De modo geral, esses dois eixos têm funções contrárias. Um corrige os excessos do outro. Por exemplo, se o simpático acelera demasiadamente as batidas do coração, o parassimpático entra em ação, diminuindo o ritmo cardíaco. Apenas um ou outro eixo pode estar ativo de cada vez. O eixo simpático tem precedência sobre o relaxamento e poderosamente inibe o eixo parassimpático que abilita o corpo humano a descansar. Isto é, na realidade, um mecanismo de sobrevivência pois o ser humano naturalmente reage a situações de emergência.  
·         O eixo simpático ativa as glândulas tireóide e supra-renais para fornecer energia extra que o corpo usa para se defender. Nervosismo, estresse ou sentimentos de pânico são o que se sente quando o eixo simpático está ativado, colocando toda a energia do corpo em estado de prontidão e defesa. Sentimentos de medo, preocupação, culpa, tristeza, raiva, teimosia e agressividade ativam o eixo simpático. Portanto, como diz o doutor Lawrence Wilson, professor da Universidade de Medicina Natural do estado de New Mexico nos Estados Unidos: se este estado de tensão continuar por muito tempo, o corpo torna-se incapaz de relaxar podendo causar enfermidades tais como estresse crônico, constipação, pressão alta, e muitos outros problemas de saúde.


·         Por outro lado, o eixo parassimpático quando ativado, regenera e relaxa o corpo. Para promover o equilíbrio e o relaxamento, o objetivo é manter o sistema simpático desligado, tanto quanto possível. A maneira mais simples de fazer isso é parar para descansar e pensar pensamentos felizes. Crie uma lista de prioridades e faça o melhor que pode parafocar e  resolver um problema de cada vez. Pois o corpo do ser humano, assim que pensa pensamentos de medo, ou raiva, ou torna-se fisicamente tenso, muda para uma postura simpática de alto estresse. Emocionalmente, o eixo simpático é associado com o medo e o eixo parassimpático está associado a sentimentos de amor e paz. No mundo de hoje é difícil viver em um estilo de vida sem estresse, a maioria das pessoas hoje têm algum grau de esgotamento nervoso simpático. Para reduzir o estresse treine a sua mente para manter pensamentos positivos, de gratidão e de paz interior diariamente - um dia de cada vez.
A saúde do sistema nervoso autônomo é um aspecto crítico para reduzir o estresse. O esgotamento por estresse também pode causar uma pessoa a começar a procurar respostas profundamente dentro de si. Isso pode levar a mudança de seu estilo de vida e até de hábitos alimentares, e desenvolver o seu potencial interior. À medida que mais pessoas se tornam dispostas a mudar seus padrões de pensamento e estilos de vida, vão experimentar um estado de contentamento e felicidade que vem com um sistema autônomo equilibrado mesmo diante de uma variedade de adversidades no ambiente de trabalho e na vida pessoal.

Esta informação não substitui um exame clínico completo e nem mesmo recomendações médicas.
*NÓVOA, A. Os professores e as histórias da sua vida; Vidas de professores. Editora Porto, 1995.

Um grande abraço e até a próxima semana,

Denise        

Questão de Personalidade



Uma vez que este espaço tem como objetivo criar uma ferramenta eficaz, precisa e amigável que venha a dar mais autonomia à ação pedagógica docente permitindo otimizar a gestão operacional no "chão da sala de aula" frente à Educação Inclusiva, vamos começar oferecendo uma dica que facilite aliviar o estresse diário dos professores.

Entretanto, torna-se necessário primeiramente que você identifique a sua verdadeira personalidade e eleve a sua auto-imagem pois ela é “a essência da personalidade e do comportamento humano; mude a auto-imagem, e ambos serão transformados” *Maxwell Maltz. É muito importante para o docente saber quem é a pessoa que  o mesmo traz consigo para o "chão da sala de aula" todos os dias; ser conhecedor de si mesmo e refletir como a sua própria personalidade afeta a interação com seus alunos. Suas experiências, sua personalidade, sua maneira única de enfrentar conflitos e problemas pessoais podem influenciar no seu trabalho diário de uma maneira positiva ou negativa. A fim de ser bem sucedido, um professor pode desenvolver certos aspectos de sua personalidade para melhor ensinar e ganhar o respeito de todos. Como por exemplo: ter sede de conhecimento, ter paciência e criatividade, ser incentivador,  entusiasta e divertido. Muitas vezes, professores são colocados diante de situações muito estressantes. Um professor com certos aspectos de sua personalidade bem desenvolvidos pode navegar através destas situações para encontrar a solução de um problema mais aliviado do estresse.

·         Reflita para identificar a sua personalidade pois isso lhe vai ajudar a identificar o seu estilo de ensinar depois que você aprender uma tática para aliviar o estresse:

1. Você sempre trabalha em auto aperfeiçoamento, é muito ambicioso (a) e tem padrões muito elevados. Para você, não é fácil de ser quem você é. Você trabalha muito duro, mas não é egoísta.

2. Você é uma pessoa honesta e divertida. Você é muito responsável e gosta cuidar dos outros, por que se preocupa com eles e aceita muitas responsabilidades relacionadas ao trabalho.
3. Você é uma pessoa inteligente e atenciosa. Seus pensamentos e suas idéias são muito importante para você. Você está tentando fazer o que é certo, mesmo que a maioria da sociedade não concorde.
4. Você é uma pessoa perspicaz e filosófica. Você é intuitivo e um pouco peculiar. É muitas vezes incompreendido, e isso te machuca. Você busca o respeito dos outros e é muito emocional.
5. Você é auto -confiante e muito independente. Seu princípio orientador na vida é ' eu vou fazer do meu jeito ". A única coisa que demanda de pessoas é a honestidade. Você é muito forte.
6. Você é gentil e sensível. As pessoas se relacionam muito bem com você. Você tem muitos amigos e adora ajudá-los. Você quer ser interessante, perspicaz e único. Você está pronto para amar ao próximo.
7. Você é feliz e sereno. Você é uma pessoa muito sensível e compreensivo. Você está aberto a novas pessoas e eventos. Você é altamente resistente ao estresse e raramente se preocupa.
8. Você é charmoso e energético. Você é uma pessoa divertida e vive em um estado de harmonia com o universo. Você não descansa até que adquira conhecimento profundo de determinada área ou assunto.
9. Você é otimista.Você acredita que a vida é um presente e usa qualquer oportunidade para perdoar, aprender e crescer, porque você acredita que a vida é muito curta para fazer o contrário.

*Maxwell Maltz (1899-1975) foi um cirurgião que desenvolveu a Psico-Cibernética ou Psicocibernética - um sistema empregado para melhorar a auto-imagem e a auto-confiança, de modo a conduzir a uma vida mais bem sucedida.

                                                                                      
Um grande abraço e até a próxima semana,

Denise  
 
 

Bem-vindos ao BLOG suportEducar


Olá, meu nome é Denise,
sou uma brasileira que mora nos Estados Unidos há 20 anos e, aparentemente,  tive que atravessar as Américas e entender minhas próprias dificuldades de aprendizagem para descobrir que o meu foco e a minha verdadeira paixão profissional é mesmo a EDUCAÇÃO (em geral). Após tomar conhecimento sobre as mudancas educacionais que ocorreram no Brasil nos últimos anos, o novo sistema inclusivo, as dificuldades enfrentadas pelos docentes e o lamentável nível da educação brasileira no rank mundial
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/11/121127_educacao_ranking_eiu_jp.shtml, contactei uma amiga no Brasil e criamos o site suportEducar.com como portal para este BLOG e outras novidades que virão no futuro. Esta idéia é nova, está começando agora, mas esperamos crescer com vocês e transformá-la em um direcionamento positivo para todos os interessados. Meu objetivo é escrever de uma maneira  simples e descomplicada sobre o assunto tornando o conteúdo compreensível para todos os leitores.  Começei  minha carreira como assistente de professora de maternal do curso Infantil, no Brasil, quando eu tinha apenas 17 anos de idade (saindo do curso “normal” – lembram?), mas deixei a profissão cedo, frustrada pela minha própria  imaturidade e por não conhecer um  método sistematizado de gestão de sala de aula. Tudo que aprendi no curso normal dos anos 80 era reduzido a um conjunto de técnicas didáticas para serem aplicadas ao ensinar o conteúdo, sem levar em conta os respectivos contextos escolares, culturais, da família e o estado socio-emocional do aluno. Tentei seguir a carreira e me formei em Pedagogia; trabalhei como supervisora escolar do antigo primário (1ª. a 4ª. série) mas em 1993 vim morar no Estados Unidos. Desde então o governo brasileiro estabeleceu o curso Normal Superior e outros cursos mediante a iniciativa da inclusão, mas podemos perceber que os cursos de formação de docentes principalmente da educação fundamental ainda deixa muito a desejar. As análises dos problemas que os docentes enfrentam nas salas de aula das escolas brasileiras de um modo geral, nos mostra que a cultura da educação brasileira  ainda trabalha no modelo “intuitivo” como a “experimentar, para ver o que funciona”. Principalmente depois que os alunos público alvo da Educação Especial começaram a ser incluídos nas salas de aula comum do ensino regular, o corpo docente enfrenta um grande desgaste e ainda tem muitas questões sem respostas.
Devido ao papel fundamental que o professor (a) desempenha na experiência educacional de todos os seus alunos, com ou sem deficiência, torna-se necessário que o mesmo (a) receba suporte suficiente para passar do conceitual ao procedimento.  Faz-se também necessário que o corpo docente tenha acesso a conhecimento científico e treinamento contínuo para se manter atualizado (a) “no chão da sala de aula”. Assim, o professor  (a) terá a possibilidade de transformar e elevar sua autonomia à uma dimensão emancipadora na perspectiva do modelo de educação inclusiva ao usar o seu conhecimento e habilidades em favor do sucesso de seus alunos e da gestão efetiva de sua sala de aula. Em relação à Educação Especial ainda temos muito a aprender. Estou orgulhosa de todos os professores (as) brasileiros (as) que estão fazendo o possível  para ensinar os alunos público alvo da  Educacão Especial, bem como, todos os outros alunos que encontram desafios diversos durante seu percurso escolar. Como vocês podem constatar através de suas próprias experiências, ser professor (a)  é uma tarefa difícil, portanto, os docentes precisam de muito suporte para desempenhar esta tarefa com sucesso. Contudo, na atualidade, não podemos ignorar as evidências científicas e a eficácia das estratégias específicas a fim de melhorar o desempenho academico, emocional e social dos alunos, principalmente os que necessitam de atendimento educacional especial. Se os educadores não utilizarem sistematicamente o que a pesquisa nacional e internacional demonstra sobre os efeitos de estratégias educacionais específicas e seus resultados sobre o comportamento e aprendizado do aluno, correm o risco de continuar trabalhando em um modelo intuitivo e teórico.  Um dos maiores objetivos ao dar suporte ao trabalho pedagógico dos(as)  professores(as) engloba aumentar sua consciência crítica nas reflexões de que “os autores do amanhã” são eles(elas), num entendimento que, avançando e aprimorando a educação tornam possível um mundo melhor, independentemente de situações adversas resultantes do seu salário e as circunstâncias atuais de trabalho. Entendemos que o cenário atual trás muitas preocupações aos docentes.  
Pode ser frustrante quando as coisas não estão indo como desejam, gerando assim um grande estresse. Buscaremos maneiras de oferecer idéias que poderão ser inseridas no contexto específico de sua prática no “chão da sala de aula”.
Estaremos atualizando este BLOG semanalmente.
Apertem o cinto e, aguardem!
Um grande abraço e até a próxima semana.

Denise